top of page

RB Pilates Group

Public·70 members
Alexander Maximov
Alexander Maximov

Orando A Palavra Pdf 14


1. Perceba que existe uma conexão diretamente proporcional entre o quanto as nossas mentes estão moldadas pelas Escrituras e o quanto as nossas orações são respondidas. Jesus disse, " Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito" (João 15:7).




Orando A Palavra Pdf 14


DOWNLOAD: https://www.google.com/url?q=https%3A%2F%2Fgohhs.com%2F2u2HWv&sa=D&sntz=1&usg=AOvVaw3qa947xzpriQc4jFeh5eV-



Todas as orações de Jesus deveriam se tornar as orações de todos os cristãos. Orando as orações de Jesus, envolvemo-nos na mais elevada forma de discipulado. Para o discípulo é suficiente ser como seu mestre, e o escravo, como seu senhor (Mt 10.25). Jesus não somente orava mais do que qualquer outra pessoa, mas as suas orações também se diferenciavam de todas as demais orações da Bíblia. Muito embora fosse plenamente humano, Ele já tinha um conhecimento perfeito, tanto das palavras como do propósito das Escrituras desde sua infância. Assim sendo, quando Ele estava no templo, com os seus tenros doze anos de idade, conseguiu dialogar com os seus mestres de tal forma que todos que o ouviam se admiravam de seu entendimento e de suas respostas (LC 2.47). A medida que crescia, Jesus ia a lugares solitários para orar (veja Marcos 1.35). Ele orava com tanta intensidade que as suas orações vinham em alta voz e com lágrimas (Hb 5.7). Uma vez Ele orou tão fervorosamente que seu suor caía na terra como gotas e sangue (LC 22.44). O estilo de vida de oração que Jesus nos deu como modelo quase nunca foi tocado pela maioria os cristãos. Mas, quando as orações de Jesus são oradas de volta Para Ele, lentamente passamos a entender o que Ele Obviamente sabia sobre o poder da oração. As palavras de 0 dirigirão às experiências de oração Dele, e, então, à de Filho que Ele mesmo desfrutava com o seu Pai.


Contudo, ainda há outras formas de abordarmos essas orações. Quando começamos a orar as orações de Jesus, começamos orando o texto literalmente, concordando com nos contextos histórico e teológico das pessoas e coisas pelas quais Ele orou. Quando Ele ora pelos seus discípulos, pedindo a Deus por algo, você também pode adotar o mesmo contexto histórico. Comece as suas próprias orações lembrando-se, simplesmente, dos 12 discípulos que estavam com Ele durante o seu intenso ministério e da igreja que surgiu do testemunho deles. Quando você ora a oração de Jesus: Glorifica teu Filho, para que ele te glorifique (Jo 17. l) você está concordando com Jesus e continuando a orar pela manifestação da glória do Filho. Pode ser uma simples oração de concordância, pela qual também ansiamos que Jesus seja glorificado hoje, que a sua vida e paixão continuem a glorificar o Pai agora. Dessa forma, estaremos orando hoje pelas mesmas coisas que Jesus orava em sua época.


É a alegria que se vive no meio das pequenas coisas da vida quotidiana, como resposta ao amoroso convite de Deus nosso Pai: Meu filho, se tens com quê, trata-te bem (...). Não te prives da felicidade presente (Sir 14, 11.14). Quanta ternura paterna se vislumbra por detrás destas palavras!


7. A tentação apresenta-se, frequentemente, sob forma de desculpas e queixas, como se tivesse de haver inúmeras condições para ser possível a alegria. Habitualmente isto acontece, porque a sociedade técnica teve a possibilidade de multiplicar as ocasiões de prazer; no entanto ela encontra dificuldades grandes no engendrar também a alegria.[2] Posso dizer que as alegrias mais belas e espontâneas, que vi ao longo da minha vida, são as alegrias de pessoas muito pobres que têm pouco a que se agarrar. Recordo também a alegria genuína daqueles que, mesmo no meio de grandes compromissos profissionais, souberam conservar um coração crente, generoso e simples. De várias maneiras, estas alegrias bebem na fonte do amor maior, que é o de Deus, a nós manifestado em Jesus Cristo. Não me cansarei de repetir estas palavras de Bento XVI que nos levam ao centro do Evangelho: Ao início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo.[3]


11. Um anúncio renovado proporciona aos crentes, mesmo tíbios ou não praticantes, uma nova alegria na fé e uma fecundidade evangelizadora. Na realidade, o seu centro e a sua essência são sempre o mesmo: o Deus que manifestou o seu amor imenso em Cristo morto e ressuscitado. Ele torna os seus fiéis sempre novos; ainda que sejam idosos, renovam as suas forças. Têm asas como a águia, correm sem se cansar, marcham sem desfalecer (Is 40, 31). Cristo é a Boa Nova de valor eterno (Ap 14, 6), sendo o mesmo ontem, hoje e pelos séculos (Heb 13, 8), mas a sua riqueza e a sua beleza são inesgotáveis. Ele é sempre jovem, e fonte de constante novidade. A Igreja não cessa de se maravilhar com a profundidade de riqueza, de sabedoria e de ciência de Deus (Rm 11, 33). São João da Cruz dizia: Esta espessura de sabedoria e ciência de Deus é tão profunda e imensa, que, por mais que a alma saiba dela, sempre pode penetrá-la mais profundamente.[7] Ou ainda, como afirmava Santo Ireneu: Na sua vinda, [Cristo] trouxe consigo toda a novidade.[8] Com a sua novidade, Ele pode sempre renovar a nossa vida e a nossa comunidade, e a proposta cristã, ainda que atravesse períodos obscuros e fraquezas eclesiais, nunca envelhece. Jesus Cristo pode romper também os esquemas enfadonhos em que pretendemos aprisioná-Lo, e surpreende-nos com a sua constante criatividade divina. Sempre que procuramos voltar à fonte e recuperar o frescor original do Evangelho, despontam novas estradas, métodos criativos, outras formas de expressão, sinais mais eloquentes, palavras cheias de renovado significado para o mundo actual. Na realidade, toda a acção evangelizadora autêntica é sempre nova.


16. Com prazer, aceitei o convite dos Padres sinodais para redigir esta Exortação.[19] Para o efeito, recolho a riqueza dos trabalhos do Sínodo; consultei também várias pessoas e pretendo, além disso, exprimir as preocupações que me movem neste momento concreto da obra evangelizadora da Igreja. Os temas relacionados com a evangelização no mundo actual, que se poderiam desenvolver aqui, são inumeráveis. Mas renunciei a tratar detalhadamente esta multiplicidade de questões que devem ser objecto de estudo e aprofundamento cuidadoso. Penso, aliás, que não se deve esperar do magistério papal uma palavra definitiva ou completa sobre todas as questões que dizem respeito à Igreja e ao mundo. Não convém que o Papa substitua os episcopados locais no discernimento de todas as problemáticas que sobressaem nos seus territórios. Neste sentido, sinto a necessidade de proceder a uma salutar descentralização.


83. Assim se gera a maior ameaça, que é o pragmatismo cinzento da vida quotidiana da Igreja, no qual aparentemente tudo procede dentro da normalidade, mas na realidade a fé vai-se deteriorando e degenerando na mesquinhez.[63] Desenvolve-se a psicologia do túmulo, que pouco a pouco transforma os cristãos em múmias de museu. Desiludidos com a realidade, com a Igreja ou consigo mesmos, vivem constantemente tentados a apegar-se a uma tristeza melosa, sem esperança, que se apodera do coração como o mais precioso elixir do demónio.[64] Chamados para iluminar e comunicar vida, acabam por se deixar cativar por coisas que só geram escuridão e cansaço interior e corroem o dinamismo apostólico. Por tudo isto, permiti que insista: Não deixemos que nos roubem a alegria da evangelização!


129. Contudo não se deve pensar que o anúncio evangélico tenha de ser transmitido sempre com determinadas fórmulas pré-estabelecidas ou com palavras concretas que exprimam um conteúdo absolutamente invariável. Transmite-se com formas tão diversas que seria impossível descrevê-las ou catalogá-las, e cujo sujeito colectivo é o povo de Deus com seus gestos e sinais inumeráveis. Por conseguinte, se o Evangelho se encarnou numa cultura, já não se comunica apenas através do anúncio de pessoa a pessoa. Isto deve fazer-nos pensar que, nos países onde o cristianismo é minoria, para além de animar cada baptizado a anunciar o Evangelho, as Igrejas particulares hão-de promover activamente formas, pelo menos incipientes, de inculturação. Enfim, o que se deve procurar é que a pregação do Evangelho, expressa com categorias próprias da cultura onde é anunciado, provoque uma nova síntese com essa cultura. Embora estes processos sejam sempre lentos, às vezes o medo paralisa-nos demasiado. Se deixamos que as dúvidas e os medos sufoquem toda a ousadia, é possível que, em vez de sermos criativos, nos deixemos simplesmente ficar cómodos sem provocar qualquer avanço e, neste caso, não seremos participantes dos processos históricos com a nossa cooperação, mas simplesmente espectadores duma estagnação estéril da Igreja.


136. Renovemos a nossa confiança na pregação, que se funda na convicção de que é Deus que deseja alcançar os outros através do pregador e de que Ele mostra o seu poder através da palavra humana. São Paulo fala vigorosamente sobre a necessidade de pregar, porque o Senhor quis chegar aos outros por meio também da nossa palavra (cf. Rm 10, 14-17). Com a palavra, Nosso Senhor conquistou o coração da gente. De todas as partes, vinham para O ouvir (cf. Mc 1, 45). Ficavam maravilhados, bebendo os seus ensinamentos (cf. Mc 6, 2). Sentiam que lhes falava como quem tem autoridade (cf. Mc 1, 27). E os Apóstolos, que Jesus estabelecera para estarem com Ele e para os enviar a pregar (Mc 3, 14), atraíram para o seio da Igreja todos os povos com a palavra (cf. Mc 16, 15.20).


138. A homilia não pode ser um espectáculo de divertimento, não corresponde à lógica dos recursos mediáticos, mas deve dar fervor e significado à celebração. É um género peculiar, já que se trata de uma pregação no quadro duma celebração litúrgica; por conseguinte, deve ser breve e evitar que se pareça com uma conferência ou uma lição. O pregador pode até ser capaz de manter vivo o interesse das pessoas por uma hora, mas assim a sua palavra torna-se mais importante que a celebração da fé. Se a homilia se prolonga demasiado, lesa duas características da celebração litúrgica: a harmonia entre as suas partes e o seu ritmo. Quando a pregação se realiza no contexto da Liturgia, incorpora-se como parte da oferenda que se entrega ao Pai e como mediação da graça que Cristo derrama na celebração. Este mesmo contexto exige que a pregação oriente a assembleia, e também o pregador, para uma comunhão com Cristo na Eucaristia, que transforme a vida. Isto requer que a palavra do pregador não ocupe um lugar excessivo, para que o Senhor brilhe mais que o ministro.


About

Welcome to the group! You can connect with other members, ge...

Members

  • Rebecca Brotherton
    Rebecca Brotherton
  • Tanya Arora
    Tanya Arora
  • heulwenletitia
    heulwenletitia
  • Kartik Rajput
    Kartik Rajput
  • PhuongLien NhaSuong
    PhuongLien NhaSuong
bottom of page